Pedir para instalar na

4 tipos de silos para fazendas: saiba qual escolher

8 de Fevereiro de 2018

Armazenar grãos em silos vem sendo uma estratégia bastante comum para produtores rurais brasileiros que esperam o melhor momento para vender seus grãos por preços melhores.

Fazendo isso, o produtor rural tem a possibilidade de se livrar da chamada “boca de safra”, representada pelo período de maior volume de grãos e baixo valor das commodities. Ao armazenar, ele poderá comercializar na entressafra a produção guardada, época de preços mais aquecidos.

Porém, muitos produtores, principalmente aqueles menos experientes com o armazenamento, não sabem exatamente qual é o real funcionamento do silo, nem as medidas de segurança a ele ligadas.

Conheça os principais silos de armazenagem

No campo, existem vários tipos de silos com suas respectivas funções e divisões. A primeira divisão dos silos é quanto ao material utilizado para a sua construção. Há silos metálicos, de concreto, de alvenaria e de madeira. Há também um tipo de silo denominado silo-bolsa, geralmente utilizado de forma emergencial para o armazenamento de grãos.

A docente dos cursos de Agronomia e Zootecnia da Unoeste (SP), Fabiana Lima Abrantes, indica também que os silos são divididos quanto à sua aplicação. Ela explica as diferenças básicas neste sentido:

Silo armazenador: recebe o produto limpo após secagem em secador e recebe aeração quando necessário para uniformizar a umidade e resfriar a massa de grãos;

Silo secador: recebe ar natural ou aquecido para secagem dos grãos. “Este processo é lento e a umidade não deve ser elevada, já que pode ocorrer o aquecimento da massa e fermentação, o que afeta sua qualidade”, explica Fabiana;

Silo de espera (também chamado de silo pulmão): são silos de apoio durante o recebimento dos grãos, pois armazenam os grãos limpos, porém úmidos, por poucas horas até o momento dos grãos irem para o secador e atingir a umidade desejada para o armazenamento. “Esse tipo de silo deve possuir sistema de ventilação de ar natural para evitar o aquecimento da massa de grãos devido a umidade elevada”, lembra a docente;

Silo de expedição: são silos suspensos que recebem os grãos dos silos armazenadores, através de transportadores e os grãos são liberados, por gravidade, sobre o veículo transportador (caminhão ou vagão ferroviário).
Funcionamento do silo: Importância da temperatura e umidade
Para o correto funcionamento do silo, tanto a temperatura quanto a umidade são fundamentais, exercendo grande influência na qualidade dos grãos. Neste sentido, Fabiana indica que a umidade e a temperatura elevada são variáveis que afetam a qualidade do grão, promovendo o aquecimento da massa e até a sua deterioração.

A decomposição dos grãos também irá provocar a liberação de gases inflamáveis (metano), podendo inclusive gerar explosões. Além disso, a professora indica que se a umidade dos grãos ficar muito baixa, haverá maior facilidade de ocorrência de danos mecânicos, como grãos quebrados ou trincados, o que diminui o valor do produto.

Assim, tanto a umidade quanto a temperatura devem ser controladas, variando em função da espécie e composição química dos grãos. Fabiana indica que em média, a umidade de armazenamento dos produtos fica em torno de 13%, valores maiores serão prejudicais aos grãos.

Quero começar a armazenar em silos – Qual escolher?

Há silos de tamanhos, tecnologias e preços diferentes. Em razão disso, as variáveis que o produtor deve considerar ao escolher o silo que melhor se adéque às suas necessidades são muitas.

Entre as ações que podemos considerar na escolha, podemos citar:

  • Grão que será armazenado;
  • Quantidade estimada de grãos (para indicar a capacidade do silo);
  • Frete (para comparar com o armazenamento com silos de terceiros);
  • Capital para o investimento;
  • Pessoal capacitado, dentre outras coisas.

A professora indica que independente do modelo adotado para a unidade armazenadora, esta deverá apresentar as condições básicas para preservação da qualidade do produto, além de ser economicamente viável.

“O funcionamento do silo poderá ser simples, porém deverá seguir os princípios básicos da armazenagem, ou seja, deverá beneficiar (limpar), secar e armazenar os grãos de forma eficiente“.

Principais cuidados para o bom funcionamento do silo

Para evitar surpresas desagradáveis, alguns cuidados precisam ser ponderados pelo gestor da propriedade, principalmente aqueles relacionados ao funcionamento do silo e à prevenção de acidentes que porventura podem ocorrer. Quanto ao funcionamento do silo, a professora indica dois cuidados essenciais. Aeração e controle de pragas.

A aeração é uma ferramenta muito útil no armazenamento para manutenção e conservação do produto armazenado, diminuindo a sua umidade e temperatura. “Porém, se manejada de maneira errada, pode promover umedecimento da massa ou secagem excessiva, afetando negativamente a qualidade e conservação”, explica.

Além disso, o controle de pragas no armazenamento (como gorgulho, roedores e traças) que se desenvolvem em grãos com baixa umidade, podem comprometer a qualidade dos grãos, favorecendo a penetração de fungos. Neste sentido, ter um controle efetivo de pragas é medida fundamental para o bom funcionamento do silo.

Em relação aos riscos de acidentes, a professora indica que há riscos de explosões, problemas respiratórios e oculares, quedas e sufocamento. Para reduzi-los, a professora mostra algumas dicas importantes:

  • O profissional nunca deve entrar em espaço confinado sem aferir a concentração de gases, além do mais deve ter sempre um outro funcionário do lado de fora;
  • Sempre usar cinto de segurança preso em trava-quedas, durante as operações de limpeza ou manutenção do silo carregado;
  • Usar máscara de poeira, que pode ser tóxica e afetar a saúde dos operadores;
  • Dispor de detector de gases para ajudar a evitar explosões.
  • Por fim, para o bom funcionamento do silo e para a maior segurança do operador, o uso de equipamentos de proteção individual e equipamentos de proteção coletiva é fundamental.

Fonte: Mais Soja